Buscar

Esta semana o portal habitaracidade.com traz à biblioteca a tese de doutorado de Anderson Ferreira da Silva. Intitulada "Megaeventos esportivos no Brasil: as infraestruturas urbanas e seus rebatimentos nas cidades-sede", a tese foi defendida junto à Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília em 2019 e aborda as condições em que se deu a implantação de infraestruturas urbanas em cidades brasileiras no contexto recente de grandes eventos esportivos, a incerteza de usos futuros e as transformações no meio urbano delas decorrentes. Boa leitura!


"Os megaeventos esportivos no Brasil são lembranças ainda muito recentes nos cenários das cidades brasileiras, sobretudo naquelas que foram utilizadas como capitais-sede. Deles, muito se falou sobre projetos, obras, usos e investimentos financeiros. Apesar da existência de inúmeras pesquisas sobre o tema, pouco se trabalhou no sentido de reunir as doze cidades-sedes e colocá-las sob um único modelo analítico a partir dos custos, projetos, obras, finanças e comportamentos urbanos. O intuito desta pesquisa é fazer um estudo lato sensu a partir da Copa do Mundo de 2014 e dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro de 2016, e stricto sensu, sobre as cidades-sede da Copa. O universo de trabalho é composto por 12 cidades-sedes, no recorte temporal de uma década, a partir do anúncio das cidades-sede pela FIFA e a definição das Olimpíadas do Rio pelo COI, ambos em 2009. São estabelecidas duas abordagens sobre as obras de infraestrutura urbana do Primeiro Ciclo de Planejamento da FIFA (arenas/estádios, aeroportos, portos e mobilidade urbana/ transporte). Na primeira, para construção do cenário total de investimentos, são considerados os documentos oficiais da Copa e das Olimpíadas, matrizes de responsabilidades e planos de políticas públicas, suas primeiras versões, variações e versões finais. A segunda abordagem se ocupa em analisar os projetos e obras das doze cidades-sede da Copa do Mundo de 2014 e para isso são desenvolvidas duas frentes: uma pelos custos e usos, considerando as fases de projetos, obras, finanças, usabilidade e gestão e a outra avalia os impactos causados pelos projetos dentro de raios estabelecidos, verificando as existências de intervenções, transformações e adaptações urbanas e rebatimentos na estruturação e/ou reestruturação urbanas e sociais das cidades. A condução do estudo foi através do respaldo teórico e da contextualização dos megaeventos esportivos no mundo e no Brasil e suas reverberações, a partir dos aspectos teóricos da estruturação do espaço urbano e da leitura e construção da paisagem urbana. Foram argumentadas as implantações dos edifícios e das obras urbanas, suas pertinências, investimentos, especulação urbana imobiliária e os censos e contrassensos entre planejamento, projeto, obra, execução e funcionamento. Dos resultados, ficaram três grandes inferências: (1) os valores investidos extrapolaram as previsões e as prestações de contas feitas pelo estado, (2) as obras foram construídas sem previsões mais certeiras de usos futuros e (3) as infraestruturas construídas atuaram como estruturadoras e transformadoras dos espaços urbanos juntamente com os valores por elas motivados.


Palavras-chave: megaevento esportivo; infraestrutura urbana; cidade-sede; estruturação urbana."


Título: Megaeventos esportivos no Brasil: as infraestruturas urbanas e seus rebatimentos nas cidades-sede

Autoria: Anderson Ferreira da Silva

Orientador: Prof. Dr. Rômulo José da Costa Ribeiro

Tese (Doutorado) - Universidade de Brasília, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU), Programa de Pesquisa e Pós-graduação, Brasília, 2019.


Acesse o trabalho completo em habitaracidade.com/biblioteca

As inscrições para o Audição - a música ensina de agosto já estão abertas! Garanta seu certificado e sua vaga na sala virtual!


Nessa edição do Audição – a música ensina, Fabi Itaci e Gláucia Lelis vão desvendar poemas por trás das canções interpretadas por Milton Nascimento, Zélia Ducan, Adriana Calcanhoto, Porcas Borboletas entre outros. Talvez você nunca percebeu, mas aí tem Carlos Drummond de Andrade, Alice Ruiz, Waly Salomão e Paulo Leminsk respectivamente. Bora ouvir e aprender com esses poemas que viraram canções!


Palavra Resistente: páginas em sons, cantares libertários

por Fabi Itaci e Gláucia Lelis

Dia 27/0819h

Se inscreva para acessar o certificado e a sala virtual!

habitaracidade.com/audicao








Esta semana o portal habitaracidade.com tem a honra de trazer à biblioteca a dissertação de mestrado intitulada "Poder, memória e estigmas: pontes entre Ceres e Rialma", de autoria de Lucas Felício Costa. Desenvolvida junto à Faculdade de Artes Visuais da Universidade Federal de Goiás, a pesquisa aborda com especial interesse aspectos associados ao poder e às suas manifestações simbólicas no espaço, que tanto aprofundam cisões quanto estigmatizam diferentes territórios. Boa leitura!


"Neste trabalho propõe-se uma aproximação entre as formas de Poder e Estigma como ações que engendram diferenças socioeconômicas e espaciais. Tem-se por objeto de investigação as cidades de Ceres (Colônia Agrícola Nacional de Goiás) e Rialma (Barranca), dois municípios do Estado de Goiás localizados na região do Vale de São Patrício, às margens do Rio das Almas. Estas cidades “irmãs” são separadas por um limite geográfico, um rio, mas conectadas por histórias, memórias e uma ponte. As duas cidades foram fundadas na mesma ocasião, mas suas trajetórias revelam, hoje, grandes diferenças estabelecidas por uma relação desigual e predatória, calcada desde o início na construção de estigmas. Para desenvolver uma leitura possível da condição histórica e político-social referente à formação de Ceres e Rialma, indica-se uma interlocução entre as obras de Michel Foucault (1992, 2008, 2012, 2013) a partir dos conceitos de Poder, Domínio, Disciplina e Suplício e as obras de Walter Benjamin (1987, 1994, 2011) tomando-se por referência a noção de História, Alegoria e Ruína. A base histórica desta dissertação foi estruturada na análise de documentos oficiais, literários e iconográficos além de entrevistas realizadas com moradores de Ceres e Rialma. Como proposta metodológica de avaliação do processo de estigmatização territorial, foram realizados dois procedimentos de leitura dos territórios de análise que remetem aos conceitos de Certeau (1994): a pesquisa na condição de Flaneur que percorre e vivencia o cotidiano das cidades e como Voyeur que se utiliza de diversos indicadores – sociais, censitários, demográficos, econômicos e culturais para análise da condição de Ceres e Rialma. O confrontamento dos dados obtidos com os depoimentos registrados em pesquisa de campo com pioneiros e jovens das cidades possibilitou identificar como o estigma da 'Barranca' e outras múltiplas formas de dominação e subordinação se fazem presentes nas correlações entre essas cidades como uma ação estratégica de poder. Neste sentido, obtivemos como considerações finais desta pesquisa que a produção das desigualdades sociais entre as duas cidades parte de uma função histórica retroalimentadora que sustenta a manutenção do status-quo."


Palavras-chave: Poder, Memória, Estigma, Ceres, Rialma


Título: Poder, memória e estigmas: pontes entre Ceres e Rialma.

Autoria: Lucas Felício Costa.

Orientador: Prof. Dr. Pedro Dultra Britto.

Co-orientadora: Dra. Carolina Ferreira da Fonseca.

Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Artes Visuais (FAV), Programa de Pós-Graduação em Arquitetura - Projeto e Cidade, Goiânia, 2016.


Acesse o trabalho completo em habitaracidade.com/biblioteca