O Território do homem comum

Hoje o Portal habitaracidade.com apresenta um trabalho de mestrado, que virou livro, do professor e arquiteto e urbanista João Huguenin, O prefácio abaixo é da professora Luciana Andrade (PROURB FAU UFRJ).


"Ao procurar conhecer a relação entre o espaço projetado e as práticas cotidianas de uma Cooperativa Habitacional do Rio de Janeiro – a Shangri-lá – João Paulo Huguenin mergulha na reflexão sobre a questão da habitação no Brasil e no Rio de Janeiro, em particular.


A pesquisa que resultou na dissertação de mestrado do pesquisador militante, como bem ressaltado por Luciana Correa do Lago, um dos membros da sua banca, apresenta um compromisso ético com a prática arquitetônico-urbanística. Huguenin não apenas procura realizar uma imersão na realidade de Shangri-lá, morando lá por tanto tempo quanto foi possível e necessário para sua pesquisa, como sempre se manteve aberto para reavaliar suas preconcepções e convicções. Desse modo, durante todo o tempo de confecção da pesquisa, se reposiciona criticamente diante de seus protagonistas - moradores, lideranças, arquitetos e urbanistas e outros agentes envolvidos na realização de Shangri-lá.


Ciente que a dúvida é o que norteia a realização da pesquisa e com um olhar que não desconsidera o caráter multifacetado da questão, a análise que faz da tensão entre o espaço físico e as práticas socioespaciais dos moradores extrapola os limites da questão aí contida para debater questões da essência do habitar.


Assim, o debate sobre aspectos físicos e espaciais da moradia não se limita às suas dimensões formal, estética, organizacional, ou outra qualquer. O pesquisador percorre aspectos econômicos estruturais, ao analisar o confronto entre o valor de uso e de troca. Nesse contexto, é feita também uma reflexão sobre a questão fundiária, imprescindível para o entendimento da questão habitacional. Ao mesmo tempo, a pesquisa não despreza as questões pertinentes à organização do trabalho na construção civil, resgatando o debate entre Vilanova Artigas e o grupo Arquitetura Nova, composto por Sérgio Ferro, Rodrigo Lefévre e Flávio Império. A questão da participação popular no projeto também é contemplada, pela revisão de parte da obra de Carlos Nelson Ferreira dos Santos. Nesse conjunto de abordagens, que enriquece o olhar sobre a questão de partida da sua dissertação, João Paulo discorre sobre as tensões entre a vivência dos espaços públicos e privados, entendidos em sua espessura socioespacial. As nuances intermediárias entre os extremos essas formas físicas e sociais são também contempladas.


É, então, imerso nessa realidade – teórica e experimental -, que João Paulo Huguenin desenvolve sua dissertação de mestrado que agora se transforma em um livro, que já nasce como uma referência para pesquisadores que estudam a autogestão coletiva da produção habitacional no Brasil, a despeito da inexpressividade quantitativa dessa prática no Estado do Rio de Janeiro.


Para finalizar, eu não poderia deixar de registrar aqui que o momento de conclusão desta pesquisa, ritualizada na defesa da dissertação de Huguenin, representou um marco na minha trajetória como professora e pesquisadora de um programa de pós-graduação. Foi naquele momento, quando nenhum orientando de doutorado tinha concluído sua tese, que percebi ter atingido minha maioridade como orientadora de pós-graduação."


Luciana Andrade

PROURB FAU UFRJ

Rio de Janeiro, agosto de 2013.



Título: O TERRITÓRIO DO HOMEM COMUM - Constituição e apropriação cotidiana do espaço em cooperativas habitacionais

Autoria: João Paulo de Oliveira Huguenin

Instituição: Observatório das Metrópoles / PROURB FAU UFR

Ano: 2013

Palavras-chaves: Urbanismo; Planejamento urbano; Cooperativas de habitação.

Acesse o trabalho completo em habitaracidade.com/livros