Fazer samba não é contar piada...¹

As cidades, com maior ênfase na periferia do capitalismo, são contraditórias. São o palco do mais elevado grau de sociabilidade, reunião do diverso, expressão cultural coletiva. Por outro lado, são também o palco da mais acentuada segregação, destruição dos recursos naturais, violência, exploração e alienação.


Essas contradições inquietam, incomodam e suscitam reflexões críticas em diversos níveis, entre eles o acadêmico e o poético popular. Nesse sentido, Samba, cidade e sociedade se apresenta como um Projeto de Extensão (categoria cultura) da UFG - Regional Goiás que pretende conectar essas duas formas de expressão das questões urbanas, arquitetônicas e sociais a partir do samba. Pretende-se selecionar e divulgar um conjunto de sambas que tratam de temas relacionados à segregação urbana, construção civil, meio ambiente, memória, etc. Nesta página, disponibilizaremos a relação das músicas abordadas no projeto, textos de reflexão, relatos e imagens das nossas rodas de samba e debate - virtuais ou presenciais. 


Com a expectativa de formarmos um grupo envolvendo membros da comunidade acadêmica e músicos da Cidade de Goiás ligados ao samba, esperamos discutir e tocar, refletir e cantar, ensaiando em nossas rodas de samba debates críticos sobre questões sociais da realidade urbana brasileira que vêm à tona, poeticamente, sob a forma de samba.


Recorremos, assim, aos seguintes versos e convidamos toda a comunidade a participar: 


O samba ainda vai nascer
O samba ainda não chegou
O samba não vai morrer
Veja, o dia ainda não raiou
O samba é pai do prazer
O samba é filho da dor
O grande poder transformador.²

¹Baden Powell e Vinícius de Moraes – Samba da Benção – 1967.

²Caetano Veloso - Desde que o samba é samba - 1993.