Buscar

O habitaracidade.com inaugura a categoria "TCC" da biblioteca com o trabalho Vivenda Coletiva: Proposta de Tecnologia construtiva, Habitação e Produção do Espaço Urbano de Lucas Clementino dos Santos (Arquitetura e Urbanismo da Regional Goiás da UFG). O trabalho foi o primeiro colocado no Prêmio TCC Empreendedorismo UFG 2020 - Categoria Empreendedorismo Social.


"O presente trabalho de conclusão de curso tem como objetivo geral propor um modelo de construção de habitação de interesse social, individual ou coletiva, utilizando tecnologias construtivas alternativas de certa forma inovadoras, contrapondo ao método de produção atual. O trabalho objetiva-se propor um projeto de habitação de interesse social com a aplicação da junção de diferentes tecnologias construtivas, abrangendo as de baixo custo e que possuem menor custo de produção e acesso aos materiais e bem localizada urbanisticamente contrapondo-se ao padrão atual de localização de núcleos de habitação de interesse social, para isso foram realizadas pesquisas desde teóricas, tecnologias construtivas, situação urbana atual da cidade de Goiás, disponibilidade de materiais na região da cidade de Goiás, até a experimentação da técnica construtiva. A metodologia de conhecer mais a região em que o projeto irá ser implantado foi o diagnóstico do bairro, o Bauman possui assim como outros bairros, características próprias e é necessária sua compreensão, conhecer suas fragilidades e potencialidades, isso contribuiu para as propostas de projeto. Como resultado da pesquisa foi possível implantar um núcleo de habitação de interesse social em uma quadra do bairro, utilizando-se as técnicas propostas em experimentação como modulação de dimensões gerais no projeto, além disso o projeto foi resolvido dentro de lotes individuais, sendo flexível à contratempos por parte da execução e contando com essa ferramenta esses renques podem ser implantados em diferentes localidades."


CLEMENTINO DOS SANTOS, Lucas.

Vivenda Coletiva: Proposta de Tecnologia construtiva, Habitação e Produção do Espaço Urbano - Orientador: Prof. José Rodolfo Pacheco Thiesen. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Universidade Federal de Goiás, Unidade Acadêmica Especial de Ciências Sociais Aplicadas, Arquitetura e Urbanismo, Cidade de Goiás, 2020.

Co-orientação: João Paulo de Oliveira Huguenin

Primeiro colocado no Prêmio  TCC Empreendedorismo UFG 2020 - Categoria Empreendedorismo Social 

Palavras-chave: habitação de interesse social. tecnologia construtiva. uso coletivo.


Acesse o trabalho completo aqui.




4 visualizaçõesEscreva um comentário

Esta semana o portal habitaracidade.com traz à biblioteca a dissertação de mestrado de José Rodolfo Pacheco Thiesen, defendida na Universidade de São Paulo em 2015. Intitulada "Trabalho, estética, arquitetura: a contribuição de György Lukács para um estudo crítico sobre a responsabilidade social do arquiteto", a dissertação traz reflexões significativas acerca dos papeis assumidos pelo arquiteto na sociedade e dos desafios para seu desempenho diante das condições impostas pela ordem do capital.


"György Lukács, filósofo húngaro, é autor de uma vasta produção teórica. Nos anos 1950 e 1960, em seu período de maior maturidade, Lukács dedicou-se à formulação de uma Estética e de uma Ontologia do ser social, obras nas quais buscou retomar e desenvolver temas que se situam nos fundamentos do pensamento de Marx e Engels. Entre esses temas, figurou com importância crescente o tratamento dado à categoria trabalho. Em sua última grande obra teórica, Para uma ontologia do ser social , Lukács situa o trabalho como categoria fundante do ser social e fonte primária da contradição entre teleologia e causalidade. Antes disso, em sua Estética I , Lukács já havia posicionado o trabalho e a vida cotidiana com centralidade em relação às reflexões sobre a arte e a estética, chegando inclusive a realizar formulações específicas sobre a arquitetura. O presente trabalho retoma algumas dessas reflexões de Lukács, o que inclui um retorno também à questões fundamentais colocadas por Marx e Engels, e confronta essas reflexões com elementos da tradição teórica marxista que se construiu no Brasil em torno da produção teórica de Sérgio Ferro. Assim, o presente trabalho sugere a possibilidade de realização da investigação em torno dos problemas relacionados ao reflexo estético arquitetônico situando a arquitetura dentro do âmbito (o mais amplo possível) da práxis social, passando nessa trajetória pelos âmbitos da construção e da economia política. A partir dessa possibilidade, ensaiamos reflexões sobre os fundamentos do reflexo estético arquitetônico e sua relação de constrangimento pelo modo de produção capitalista. Essas reflexões abrem questões para a pesquisa a respeito da responsabilidade social do arquiteto, ou seja, a respeito de quais caminhos pode tomar a ação dos arquitetos interessados na libertação da criação, da produção e da fruição arquitetônica frente aos constrangimentos provocados pela dinâmica do capital."


Acesse o trabalho completo em habitaracidade.com/biblioteca

  • Vitor Freitas

No último dia 28 de junho, comemorou-se o dia do orgulho LGBTQI. Além do filme “Só penso em”, o portal habitaracidade.com também tem episódios de podcast publicados sobre direitos dessas sujeitas e desses sujeitos, sua liberdade de expressão e sobre os mecanismos de combate à lgbtfobia no Brasil, por meio do projeto parceiro Direitos Humanos nas Ondas do Rádio.

A sigla LGBTQI deriva de outras já utilizadas ao longo do tempo de militância das pessoas sexo-diversas ou sexo-dissidentes e é hoje uma síntese para abarcar várias identidades e modos de expressão da sexualidade.

Mais que uma sopa de letrinhas, LGBTQQICAPF2K+ expressa a descoberta e afirmação de sexualidades diversas: lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais, “queer” (pessoas que se identificam com todas as orientações sexuais e gêneros, sem se encaixar em apenas um deles), pessoas em questionamento da própria sexualidade, intersexuais, curiosos, assexuais, pansexuais, polissexuais, two-spirit (perspectiva de alguns povos indígenas americanos sobre sexualidades diferentes do padrão de gênero binário masculino-feminino), “kink” (pessoas fetichistas), assim com familiares e amigos aliados dessa comunidade de pessoas.

Acesse este e outros conteúdos em habitaracidade.com/dh.