top of page
Buscar

Goiás,5 de novembro de 2021

À V. Ex.ª. Aderson Liberato Gouvea, prefeito de Goiás;


A elaboração de um Planejamento Municipal Participativo é conquista da democracia brasileira garantida na Constituição Federal de 1988 e na Lei 10.257 (Estatuto das Cidades). Em um momento em que a democracia brasileira sofre ataques temos que desejar e garantir que administrações municipais e estaduais progressistas desenvolvam e institucionalizem ferramentas de participação social que permitam a diferentes atores formular, supervisionar e avaliar políticas públicas em âmbitos federal, estadual e municipal. É o que desejamos e esperamos da sua Gestão na cidade de Goiás.


Porém o que se vê, (e que já alertamos em audiências virtuais, reuniões virtuais com a comissão especial e em reunião presencial com a sua presença), é o descaso com a efetiva participação e uma total falta de transparência nos processos de elaboração do Plano Diretor Participativo do Município de Goiás. Lamentamos que isso ocorra em uma gestão que deveria primar pelo contrário a tudo que vem ocorrendo.

Prova dessa falta de transparência é a marcação reuniões setoriais ou em bairros sem que a Audiência Pública voltada para a aprovação da Metodologia de Elaboração do Plano fosse concluída. É de conhecimento de todos que a falta da construção de um consenso sobre o método de elaboração fez com que a audiência fosse terminada sem aprovação do documento. A própria equipe da prefeitura encaminhou que fossem feitas outras reuniões sobre o tema e posterior marcação de nova audiência para aprovação da Metodologia. Isso nunca aconteceu. Várias foram as ações deste e de outros coletivos sem que houvesse resposta da Prefeitura. Inclusive reunião com a sua presença e que foi prometido uma resposta à colaboração entregue em mãos.


É necessário e urgente que a população de Goiás saiba quais os passos e cronograma da elaboração do Plano, para que possa participar de maneira efetiva desse momento ajudando a construir a cidade que queremos.


Esse é um retrocesso que não contribui com o enfrentamento dos desafios colocados para a Gestão do nosso Município. O Observatório Popular do Plano Diretor Participativo do Município de Goiás e as organizações que o compõe abaixo-assinadas lamentam e repudiam tal medida e seguirão coordenando esforços para garantir a continuidade de mecanismos de participação social que são, como dito acima, uma conquista constitucional de toda a sociedade brasileira.


Assinam esta carta: Observatório Popular do Plano Diretor do Município de Goiás e entidades que o compõe: AGB Seção Goyaz; CAPU - Coletivo de Ações Poéticas Urbanas; Coletivo de Assessoria Jurídica Universitária- CAJU; Coletivo de Mães de Goiás; Coletivo Recicla Goiás; Comissão de Mobilização Docente da UFG Campus Goiás (CMD); Federação Nacional dos Arquitetos; Filosofia e Cidadania; Fórum Sindical e Popular da Cidade de Goyaz ( ANDES - SN, ADUEG, CMD, PCLCP, SINTEGO, SINDSEP, SINASEFE, SINTEF, GSex, AGB); Goyaz Arquitetura; GWATÁ - Núcleo de Agroecologia e Educação do Campo; Habitar a Cidade; Partido Comunista Brasileiro (PCB - Cidade de Goyaz); Observatório do Mundo do Trabalho do IFG - Núcleo de Base Cidade de Goiás.



23 visualizações0 comentário

Palestra do Professor Titular da Unb Benny Schvarsberg no Lançamento do Observatório Popular do PDP de Goiás.


Acompanhe outras informações em habitaracidade.com/pdpgoias




73 visualizações0 comentário

29/10 - 21h | Audição - a música ensina | 2020. 6 |

Polaroides contraculturais em arte e arquitetura e cidade [1963-1983], por Lu de Laurentiz​


A proposta dessa edição-audição é um álbum de fotografias em palavras-imagens-sons, do período de 1963 a 1983, no Brasil e estrangeiro, apresentando o espaço de utopia e sociedade nas experiências contraculturais em artes, arquiteturas e cidades como contraponto aos perfis vigentes do capitalismo.


Inscrições em habitaracidade.com/audicao em arte e arquitetura e cidade [1963-1983], por Lu de Laurentiz​


A proposta dessa edição-audição é um álbum de fotografias em palavras-imagens-sons, do período de 1963 a 1983, no Brasil e estrangeiro, apresentando o espaço de utopia e sociedade nas experiências contraculturais em artes, arquiteturas e cidades como contraponto aos perfis vigentes do capitalismo.


Inscrições em habitaracidade.com/audicao




51 visualizações0 comentário
bottom of page